Terça, 30 Agosto 2022 11:03

Na Amazônia, 74% dos focos de calor são em MT; 'Estado tem tendência de desmatar e usar fogo para limpar áreas', diz ICV

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)
Áreas de foco de calor em Mato Grosso Áreas de foco de calor em Mato Grosso Foto: Instituto Centro de Vida (ICV)

Na Amazônia Legal, 74% dos focos de calor foram registrados em Mato Grosso, entre janeiro e agosto deste ano. Segundo o Instituto Centro de Vida (ICV), o estado tem tendência de desmatar e, depois, utilizar o fogo para limpar essas áreas.

Imagens de satélites da Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (Nasa) mostram que na Amazônia Legal já foram queimados mais de 3 milhões de hectares. Segundo o ICV, 28% deste total fica em Mato Grosso.

Se comparado com o ano passado, no mesmo período, houve um aumento de 6%.

Conforme o coordenador de inteligência territorial do ICV, Vinicius Silgueiro, a Amazônia é o bioma mais atingido, seguido pelo Cerrado.

"O bioma da Amazônia tem sido o mais atingido no estado, sendo responsável por 74% dos focos de calor. Mesmo que o fogo tenha sido colocado em área aberta e de pastagem, pelo tempo seco e pelas condições do vento e baixa umidade, se propaga também para dentro da floresta", disse.

Segundo o especialista, Colniza, a 1.065 km de Cuiabá, lidera os registrados de queimadas neste ano. Depois, aparecem Nova Bandeirantes, Aripuanã, Marcelândia e Apiacás.

"Esse período de seca é a época que quem fez a queimada durante o período chuvoso aproveita para colocar fogo porque as condições são mais propícias, como a queima de forma rápida", contou.

Ainda conforme o instituto, 60% das áreas queimadas estão em imóveis rurais privados para fins agropecuários.

Pantanal

Já o bioma do Pantanal está sofrendo menos, conforme o relatório. O motivo, segundo o ICV, é a quantidade de queimadas nos últimos anos e as ações de organizações, como as brigadas comunitárias que conseguiram diminuir os impactos neste ano.

"É fundamental que tenha fiscalização, responsabilização por aquele que cometeu o crime, mas também é fundamental que tenham um trabalho de assistência técnica, orientação aos produtores de adoção de melhores práticas produtivas que dispensem o uso do fogo, para que assim a gente possa ter a longo prazo, um desenvolvimento de modo sustentável", disse o coordenador.

Em nota, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) informou que atua durante todo o ano na prevenção e combate a incêndios florestais e que realiza a fiscalização de crimes ambientais por meio do monitoramento via satélite.

Ler 21 vezes

Deixe um comentário